Carregando...
Consciência

A verdadeira origem do Natal e do Papai Noel

A origem do Natal e do Papai Noel tem diferentes interpretações e uma delas foi deliciosamente explicada por Elke Maravilha, nesta entrevista ao programa de Amaury Junior na rede TV em 2010.

Transcrevo as palavras dela abaixo, mas sugiro assistir ao vídeo e desfrutar da forma simples e divertida com que a própria Elke explica.

O que você acha desta história?

“… essa festa tem uns 15, 20.000 anos antes de Cristo. Começou lá, no solstício de inverno dos vikings, no dia em que o Sol está mais longe da Terra, e que é o dia 24 de dezembro. Aqui pra nós no hemisfério sul é no dia 24 de junho, a gente faz fogueiras, etc.

Lá naqueles lugares onde é muito frio e não esquenta, a vida era muito difícil, então três meses eles tinham para armazenar comida, pois era seis meses de dia e seis meses de noite.

Três meses para acumular comida que eram nozes, castanhas, três tipos de peixes para preparar o bacalhau, pois o bacalhau é uma feitura de três tipos de peixes, porque tem que ser feito com peixe de carne dura, enfim, tinham que armazenar comida para os seis meses que eram noite.

E nesse “de noite”, era 30, 40, 50 abaixo de zero, então as trevas começam a vencer a luz, a vida começa a perder da morte, a luz perde das trevas, a sabedoria começa a perder da ignorância, a verdade começa a perder da mentira e a vida começa a perder da morte.

No dia 24 de dezembro, era aí que dava um grande medo, era quando Sol estava mais longe da Terra.

Aí se reuniam com o xamã da aldeia, das aldeias dos vikings, na frente daquela árvore que mesmo aos 30, 40, 50 graus abaixo de zero continuava verde e viva que era o pinheiro, e acendiam o pinheiro com velas (o que que tem haver o pinheiro com Jesus Cristo? Nada né?) e pediam que mais uma vez a vida vencesse a morte, a luz as trevas, a sabedoria vencesse a ignorância e a vida vencesse a morte.

E aí o xamã da aldeia pegava um rapaz que estava em rito de passagem de adolescente para adulto e mandava ele caçar um urso branco, que era o símbolo da força dos vikings, e com seu trenó e suas renas ele ia pro meio do nada caçar o urso branco (cutucar o urso com a vara curta), bicho ferosíssimo e as vezes ele não voltava, era um teste, se ele podia ou não podia crescer ou casar, enfim.

Quando ele voltava com o urso branco tinha que imediatamente tirar a pele do urso e se vestir com aquela pele com sangue para fora e o branco do urso pra dentro. Claro que ele era jovem, mas ele vinha com a barba cheia de neve, e ele vinha com essa oferenda e essa é a origem do Papai Noel.

Os seguidores de Cristo queriam acabar com essa festa porque diziam que era festa pagã e festa pagã não presta, mas não conseguiram acabar, então, no século terceiro d.C. colocaram o nascimento de Cristo nesse dia e aí confundiram…

Então, nós usamos ainda as castanhas, usamos as nozes, nós usamos árvore de natal que não tem nada haver com Jesus Cristo, (risos)…”